Pages - Menu

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Sorrisos e martelos

Eu sempre amei o seu sorriso. Ele não, por isso ele o destruiu. O seu sorriso, não você - ninguém pode destruir você. Martelos, facas e o sadismo aprendido desde criança. Ou herdado do sangue, mas nisso eu não acredito. Sangue não é uma estigma. Sangue não é sujo. Meu sangue bastardo não marcou meu coração como marcou o dele. Eu nunca esmagaria o seu sorriso. Eu nunca cortaria sua pele. Eu nunca tentaria quebrá-lo em pedaços. Eu o amo demais - não só o sorriso, você inteiro. E você quebrado, mesmo agora, depois de ele ter feito sua marca no seu corpo e alma, eu o amo. Mesmo que eles digam que você não é mais um homem, eu o amo. Mesmo que até você mesmo duvide da sua sanidade, eu o amo. Mesmo que você não possa mais sorrir, eu o amo.
Venha para mim, quebrado e com medo. Eu vou consertar tudo. Montarei um forte com as roupas de cama e nós estaremos a salvo de todo o ódio. Vou chorar com você sob uma tenda de lençóis. Nós vamos saborear nossas lágrimas e juntos lembraremos do mar. Nós lembraremos de casa. Vamos sorrir - mesmo quebrados, assustados e longe de casa.
Eu sei que a morte lhe parece doce agora, mas eu não vou permitir que você escape para a cama dela. Ela é fácil e sussurra baixinho para não te assustar, mas é fria demais. Fique comigo. Eu sou morna. Eu posso aprender a sussurrar baixinho. Entendo a dor tão bem quanto ela. Posso te embalar e o sono que virá não durará para sempre. Prometo que você não vai desejar estar com ela toda vez que acordar. Fique comigo, pois mesmo se todas as minhas promessas forem mentiras, meu amor é de verdade. Ela não ama, não pode amar. Se amasse, não aguentaria levá-lo. Se amasse, morreria.
Só não vou prometer que posso lhe fazer inteiro de novo, porque não posso. Estou tão quebrada quanto você, mas isso não quer dizer que as coisas não podem ficar bem. Não significa que estamos destruídos, ninguém pode destruir você - nem a mim. 

4 comentários: