Pages - Menu

sábado, 4 de dezembro de 2010

Se você procura uma leitura agradável...

...Não leia isso. Você realmente não deve ler esse post, pois nele contém segredos grandes demais para seu pequeno coração carregar. É melhor você fechar essa página e ir ler um blog de moda ou qualquer outra coisa que não faça você correr risco de vida ou chorar. A partir das próximas linhas, você vai começar a perceber que deveria ter seguido meu conselho, por isso, pare agora. Bem, eu tentei...
Existe algo de muito errado no mundo, disso tenho certeza, mas não estou pronta pra desistir. Os segredos... Ah, os segredos, eles quase conseguiram me deixar sem força. O mundo é tão cheio de segredos que você não pode caminhar pela rua sem tropeçar em um e se você não tomar cuidado, as outras pessoas vão acabar tropeçando nos seus segredos.
Estive em uma lanchonete esses dias, esperando que um garçom fisesse um comentário aparentemente esquisito sobre uma situação triste para que eu tomasse parte em um grande segredo. O garçom veio e perguntou o meu pedido. Fiquei tão frustrada que sai de lá sem comer nada e nem dizer ao garçom que me atendeu sobre o estranho carro de virdros pretos que o estava seguindo a mais de uma semana. Espero que ele esteja bem.
Fui a uma dúzia de bibliotecas esse mês, esperando que um bibliotecário mal vestido viesse me perguntar algo sobre a minha mãe, mas nenhum deles veio e foram tão mal-educados que não devolvi a edição de "O mais pequeno dos elfos" que havia pegado em cada biblioteca.
Durante todo esse tempo, estive andando por aí tropeçando em segredos, perguntando-me se, com tantos segredos sombrios e assustadores no mundo, eu deveria estar justamente procurando pelo maior de todos. Entendam, eu tenho medo. Tenho medo de segredos, tenho medo de esperanças, tenho medo de incendios, tenho medo de vilões, tenho medo de voluntários, tenho medo de organizações secretas, mas, acima de tudo, tenho medo de me cansar de tudo isso e desistir.
Estive tão concentrada nos meus medos que quase não percebi um barulho, algo que parecia uma folha esvoaçando na rua ou uma página de um livro sendo virada, veio bem no meio da noite, bem no meio dos meus medos.
"O que foi esse barulho?" Perguntei à minha mãe.
Ela me olhou de um modo estranho e respondeu num sussurro, como se estivesse me contando o maior dos segredos:
"Nada"
"Se não há nada lá fora, o que foi aquele barulho?" Indaguei.
Ela sorriu nervosa e assentiu. Então, eu soube que eu havia tropeçado no segredo certo. Logo, a noite se encheu de barulhos estranhos, de medos estranhos e de segredos muito estranhos. Logo, eu soube que não estava sozinha e meus medos e perguntas se multiplicaram por 100.
A despeito de tudo isso, sinto-me obrigada a dar-lhes um recado. Por mais que os segredos sombrios e assustadores do mundo encham seus corações de medo, não desistam, pois existe esperança. Eu não sei se a esperança é algo bom, não sei nem se é o bastante, mas ela existe. Então, por favor, não desistam.



"Aqui o mundo é sereno."

2 comentários:

Bruna K. disse...

Eu estou aqui me perguntando se eu já tinha lido esse texto antes, ou se eu simplesmente passei por ele em um daqueles dias em que eu não tenho paciência pra nada. E se eu não li antes, deveria ter lido.
Ah, Amanda, eu sou tão parecida contigo em alguns aspectos, queria saber escrever assim também. Mas a vida não é justa e eu me contento com o prazer de ler o que tu escreve.

Amanda disse...

Esse mundo tá cheio de gente mentirosa, tsc tsc. ASUDHAISUDHSDIUHDAS Não, sério agora. Obrigada.
Eu nem lembrava do que eu tinha escrito, agora parei um pouco para ler o meu blog. Que saudade de escrever! Não estou conseguindo nessas últimas semanas.